Fabricantes continuam acreditando no OLED

Por Daniel Yergin*

Apesar de um início incerto, os fabricantes de TVs continuam comprometidos com o sucesso dos modelos AMOLED (Active Matrix Organic Light Emitting Diode), como se viu na última CES. As estimativas são de mais de 10 milhões de unidades vendidas em 2018. Este ano, a previsão é de que a indústria colocará no mercado mundial cerca de 50 mil TVs desse tipo, já que estes continuam caros e somente um fabricante – a LG – deverá fornecer altos volumes.

Mesmo assim, várias marcas demonstraram modelos atraentes durante a CES. O que se espera é que, resolvendo as questões relacionadas à fabricação e passando a produzir volumes maiores, a produção de AMOLEDs cresça para 700 mil unidades em 2015, 2,2 milhões em 2016 e 5,1 milhões em 2017.

Esses TVs fizeram sucesso no evento, principalmente graças às demonstrações de Samsung, LG e Panasonic, que exibiram boa variedade de modelos, incluindo os de tela curva, os flexíveis (bendable) e os que reproduzem imagens UHD. “O fato de serem produtos de alto padrão indica que os fabricantes continuam propensos a promover a tecnologia OLED”, diz Vinita Jakhanwal, diretor de análises para o mercado de displays da consultoria IHS. “Embora as iniciativas anteriores tenham sido prejudicadas por problemas nas linhas de produção, espera-se que isso seja solucionado e que os volumes aumentem nos próximos anos.”
A LG, por exemplo, lançou em 2013 o primeiro TV OLED com tela curva do mundo, de 55 polegadas. Este ano, na CES, a empresa trouxe um outro, de 77″, em que o usuário pode ajustar a curvatura em até 5cm com seu controle remoto. A LG informou que fez milhares de testes para avaliar a segurança desse recurso.

O fabricante coreano utiliza o painel chamado WOLED (white-OLED, ou “OLED branco”), de quatro cores (WRGB) baseado na tecnologia TFT de sua subsidiária LG Display. Atualmente, sua fábrica de 8a. geração produz 8 mil folhas desse tipo de painel por mês, com previsão de expansão para 26 mil.

Já a concorrente Samsung mostrou na CES uma tela curva de 66″, também com ajuste de curvatura pelo controle. Só que seu painel é diferente, de três cores (RGB), baseado na tecnologia TFT LTPS (Low-temperatura Polysilicon), da Samsung Display, que informa produzir atualmente 10 mil folhas. No entanto, a Samsung não apresentou no evento TVs de tamanho maior, o que indica que talvez esteja encontrando dificuldades no desenvolvimento – os painéis RGB são maiores. Por outro lado, a empresa anunciou um modelo LCD UHD de 85″, cuja curvatura pode ser ajustada em até 4,2cm. Isso mostra que a tendência dos displays curvos não se restringe a OLED.

Por sua vez, a Panasonic exibiu cinco versões de seu TV OLED UHD de 55″, cada um deles com diferentes graus de flexibilidade e ajuste de curvatura. Esses aparelhos, do tipo TFT, foram desenvolvidos em conjunto com a Sony e com a chinesa AUO. Mas no final do ano a Panasonic informou que essa parceria estava encerrada e que agora irá cuidar ela própria do desenvolvimento.
Alguns fabricantes chineses – como TCL, Hisense e Changhong – também mostraram TVs AMOLED na CES, anunciando que em breve iniciarão a produção. Na verdade, elas compram os painéis internos justamente da LG Display, e não mostraram nenhum modelo de tela curva.

Com versões de 55″, 65″ e 77″, a LG pretende reforçar seu domínio nesse segmento expandindo a distribuição pelos canais high-end. Assim, o mercado de TVs OLED seria dividido em dois segmentos distintos: um de padrão mais alto, com telas curvas e/ou com resolução UHD, e outro de massa, com modelos planos Full-HD. Como a Samsung está encontrando dificuldades de produção desse tipo de painel, e Sony e Panasonic ainda não definiram seus planos, a LG tem tudo para, de fato, dominar o mercado em 2014.

*Texto divulgado pela consultoria IHS; para ler o original, clique aqui.

Deixe uma resposta