A fera sai da toca

Tudo indica que a Sony, após anos assistindo ao crescimento dos concorrentes coreanos e chineses, resolveu partir para o contra-ataque. O que vimos hoje de manhã, no megaevento organizado pela empresa (que ontem recebeu centenas de revendedores de todo o país), mostra que a ordem é enfrentar Samsung e LG com armas poderosas, inclusive num terreno em que, tradicionalmente, os fabricantes japoneses são ultraconservadores: o preço.

A partir de agora, veremos nas lojas dois tipos de produtos Sony: os de alto padrão, com recursos de última geração, e os destinados à ascendente classe C, que segundo o presidente da Sony Brasil, Ryuichi Tsutsui, já representa 50% das vendas de produtos eletrônicos no país. Num inglês quase perfeito, ele explicou como foi difícil convencer seus colegas da matriz a apoiar esse plano. O maior argumento é que, ao contrário de Japão, EUA e Europa, o Brasil está em alta – no ano passado, o grupo cresceu aqui 65%, com a subsidiária brasileira liderando, em faturamento, a lista das 60 operações internacionais da Sony. Contra números assim, não adianta discutir.

Nos últimos dois anos, enquanto as duas coreanas se consolidavam na liderança do mercado, a Sony trouxe dezenas de executivos e engenheiros do Japão para estudar o mercado brasileiro. Segundo Carlos Pascoal, gerente-geral de marketing, foram feitas inúmeras entrevistas com revendedores e consumidores, incluindo visitas a famílias que utilizam produtos Sony, para saber onde estavam os problemas. O plano que agora está saindo do papel baseou-se nesses estudos. Primeira providência: unificar as operações de todas as divisões do grupo – música, filmes, games, celular, áudio, vídeo, informática – sob um guarda-chuva chamado “Sony United”.

“A Sony é a única empresa que pode oferecer essa solução completa”, diz Pascoal. “Falta mostrar isso tudo ao consumidor, que agora vai ver nossos produtos expostos não apenas nos pontos-de-venda, mas na mídia, na internet e em espaços públicos”. Exemplo concreto: ao comprar um player Blu-ray, o consumidor vai ter direito a escolher quatro filmes do acervo da Sony Pictures e recebê-los em casa, de graça. Encaixam-se nessa estratégia o lançamento no Brasil da rede PlayStation Network (PSN), que já é sucesso em vários países, e da linha Internet TV, que vem com navegador para acessar qualquer site e conexão sem fio para “conversar” com notebooks e smartphones (vejam este vídeo).

Enfim, um excelente ponto de partida. Como se vê, a “fera” está solta outra vez, e com muito apetite. Vamos esperar pela chegada dos produtos.

Um comentario para A fera sai da toca

  1. Edison Ciscon 29/11/2011 at 8:41 am #

    Até que enfim a SONY SAI DA TOCA. Não de hoje que comento aqui que a LG e a SAMSUNG estão passando a perna na sony. Sou fã da marca e penso que a qualidade da Sony é indiscutível, mas ultimamente tenho visto as marcas coreanas muito à frente, principalmente na questão “tecnologia”.
    “SONY” volte a ser o que sempre foi: a melhor!

Deixe uma resposta