Sharp: sinal de alerta!

Logo of Sharp Corp is pictured at CEATEC JAPAN 2012 electronics show in ChibaUma verdadeira força-tarefa, que inclui gigantes asiáticos da tecnologia e das finanças, foi montada para tentar salvar a Sharp Corporation. O balanço do último ano fiscal, encerrado em março, superou as mais pessimistas expectativas: US$ 5,4 bilhões de prejuízo líquido. Na prática, significa que, se nada for feito a curto prazo, o grupo simplesmente irá à falência.

Como esse desfecho não interessa a ninguém, foi elaborado um business plan para três anos, divulgado nesta terça-feira em Tóquio. Depois de emprestarem ao grupo um total de US$ 3,6 bilhões em setembro passado, um consórcio de bancos japoneses concordou em fornecer mais US$ 1,5 bilhão. Ao mesmo tempo, a Samsung – candidata potencial a assumir o controle da divisão de displays da Sharp, a maior do mundo – entrou com os prometidos US$ 100 milhões em troca de 3% das ações. Também foi consultada a Apple, maior cliente (compra displays para iPads e iPhones), que se comprometeu a não interromper as encomendas.

Mais importante que tudo, o acordo incluiu também a troca no comando do grupo: sai Takashi Okuda, que durou poucos meses no cargo, e entra Kozo Takahashi, apresentado oficialmente ontem. “O caminho para a Sharp é buscar alianças para gerar novas oportunidades”, disse ele, confirmando, entre outras coisas, a venda de fábricas e prédios em vários países e a renovação dos acordos com Apple e Samsung, para venda de displays (sim, embora também seja fabricante, a empresa coreana não dá conta de toda a sua demanda e, por isso, precisa comprar parte dos componentes que utiliza).

As reações foram otimistas, embora cuidadosas. A marca Sharp ainda é respeitadíssima em mercados importantes, como América do Norte e Europa (além do próprio Japão), e sua queda traria desemprego e enormes prejuízos pelo mundo afora. No Brasil, o grupo está se reestruturando, com as já conhecidas dificuldades que o governo impõe a toda empresa estrangeira (e também a muitas brasileiras). Além de tudo, a Sharp detém tecnologia de altíssima qualidade. Segundo a agência Reuters, mr. Takahashi fez questão de mencionar esse fato em seu discurso de posse: “A parceria com a Samsung tem sido fundamental para nós”, disse ele. “A Samsung tem OLED e nós temos IGZO, portanto é natural que nossa cooperação continue.”

Assim seja!

Só para lembrar: IGZO é uma patente da Sharp para displays ultrafinos, já mostrados em feiras internacionais (veja aqui), mas ainda em desenvolvimento. Se ficar provado que sua produção é menos problemática que a dos displays OLED, pode perfeitamente vir a ser dominante daqui a alguns anos.

No comments yet.

Deixe uma resposta