TV para ricos, TV para pobres

17 de setembro de 2015

10804kcomparisonO colega Samuel Possebon, com o brilhantismo de sempre, resumiu esta semana o que se discute – já há algum tempo – nos bastidores do mercado de televisão. Na cobertura do IBC, um dos principais eventos da área, que aconteceu em Amsterdam, ele mostrou no site Teletime inúmeros detalhes técnicos, recheados com depoimentos dos principais executivos do setor. E, neste artigo, analisa algo que interessa a todos: como será a televisão do futuro.

Estamos falando de um futuro bem próximo. No Brasil, milhões de famílias ainda nem têm acesso à TV digital; nem governo nem emissoras sabem como se dará, na prática, a transição do atual padrão analógico, como mostramos recentemente aqui. Mas essa TV digital corre o risco de já nascer obsoleta. Isso tem a ver com algo que também já comentamos: os atrasos e indecisões do governo, devidos, em grande parte, às tentativas de fazer uso político dessa mídia. Detalhes sobre isso aqui, aqui e aqui.

Na TV aberta, o governo é dono do espectro, repartido entre as emissoras pelo regime de concessão. Mas o futuro da TV passa pela internet, e aí a influência política torna-se muito mais difusa. Como lembra Samuel em seu texto, no IBC, um evento destinado a discutir televisão, deu-se mais ênfase à internet! E não é coincidência. Aconteceu também no nosso SET Expo, realizado em São Paulo no mês passado.

Para prestar um serviço melhor, inclusive com multiprogramação e qualidade de imagem mais avançada, a TV aberta vai precisar de mais espectro. Já a internet, em suas várias modalidades de vídeo, depende apenas de largura de banda. É consenso entre os especialistas que o UHD, por exemplo, tem muito melhor condições de avançar pela internet do que pela televisão. Mesmo a TV por Assinatura ainda reluta em investir nesse padrão, enquanto Netflix, Amazon, YouTube e outros serviços já o adotaram.

Nesse quadro, tudo indica que a TV aberta continuará existindo como “mídia popular”, para atender a imensa maioria da população em países como o Brasil. E a IPTV será cada vez mais relevante em termos de conteúdo premium e qualidade de áudio e vídeo. Simplesmente, não há alternativa.

3 Replies to “TV para ricos, TV para pobres”

  1. Francisco disse:

    E o 8K ficou fora dessa abordagem porque? afinal em alguns países já utilizam…

  2. Fernando disse:

    Concordo que a IPTV será cada vez mais relevante, mas discordo com a idéia geral do texto, de que sinal aberto será obsoleto e de conteúdos para os mais pobres.

  3. Rubens disse:

    Sei nao, Fernando… HOJE eu ja tenho essa impressao que a TV Aberta, ao menos no Brasil (onde a qualidade do conteudo é pessima), é coisa para os mais pobres… Nao sei se pelo custo, ou se é porque essas pessoas possuem um nivel cultural menor, e aí gostam do que a tv aberta exibe, principalmente no tal “horario nobre” (com cada vez mais novelas, BBB e programas de auditorio aos baldes no resto do dia)…

Deixe uma resposta