Governo não sabe o que fazer com a Oi

12 de outubro de 2016

O governo federal montou um “grupo de trabalho” para analisar a situação da Oi, que deve mais de R$ 65 bilhões na praça e entrou na Justiça com pedido de recuperação judicial. Do grupo, fazem parte representantes do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES, todos credores da empresa, além da Anatel e da Advocacia Geral da União, já que a Oi também tem altas dívidas em tributos e multas relacionadas à má prestação de serviços.

Em paralelo, outro grupo dentro do governo discute com possíveis interessados em comprar a operadora. Os dois principais candidatos, hoje, são o fundo Societé Generale, do empresário Nelson Tanure, a portuguesa Pharol (herdeira da Portugal Telecom), que hoje detém parte das ações da Oi, e o investidor egípcio Naguib Sawiris, dono da maior operadora da África (Orascom) e ligado ao investidor Naji Nahas, que por sua vez é amigo pessoal do presidente Michel Temer.

A lista de credores da Oi é tão extensa (vai de Itaú e Citibank até pessoas físicas que algum dia compraram ações) que é praticamente impossível chegar-se a um acordo em que todos saiam satisfeitos. E, embora o governo diga o contrário, também não se vê como surja uma solução sem colocar mais dinheiro público. O novo presidente da Anatel, Juarez Quadros, propõe um plano imediato para intervenção na empresa, mas ainda não tem apoio no restante do governo.

Um comentario para “Governo não sabe o que fazer com a Oi”

  1. Lincoln Freire disse:

    Espero que não acabe em negociatas com “amiguinhos”! Estão fazendo render uma notícia velha: a Oi faliu! Deve ser decretada a falência, ser vendida (de preferência para outra empresa diferente das presentes no nosso mercado, para não atrapalhar a concorrência) e seguir com os pagamentos das dívidas, de acordo com o que preconiza a justiça do trabalho, ou seja: primeiro se paga aos funcionários; depois multas, taxas e impostos e o que sobrar se paga aos credores (empresas e investidores), claro se estipulando um teto, para que todos recebam algo, mesmo que parcial. É claro que muitos credores ficarão no prejuízo! Paciência, mas como diria o autor do blog: “Não existe almoço grátis!”.

Deixe uma resposta