A morte do Windows Vista

Com vídeo de esclarecimento, nota de pesar e tudo mais, foi declarada oficialmente nesta terça-feira a extinção do Windows Vista, um dos produtos mais badalados (na época do lançamento) e talvez o mais criticado de todos os tempos. A Microsoft anunciou o fim das atualizações e do suporte ao sistema operacional, após dez anos de incríveis idas e vindas. Aqui, o comunicado oficial, no site internacional da empresa.

Na verdade, a Microsoft deixou de sequer mencionar o Vista em seus boletins, blogs, sites etc. a partir de 2012, quando foi lançado o Windows 8. O Vista já era então o sistema mais mal avaliado pelos especialistas, que apontavam problemas básicos em sua concepção: excesso de demanda sobre o processador, o que resultava em irritante lentidão; interfaces gráficas difíceis de acompanhar (pelo menos para o usuário médio, não o nerd); incompatibilidade com os padrões DRM, hoje obrigatórios na internet. Muitos consumidores que eram fãs da Microsoft jamais perdoaram a empresa por abandonar o consagrado XP, até hoje a versão mais popular do Windows.

Em seu livro Os Visionários, no capítulo sobre Bill Gates, conto parte da história da criação do Windows, ideia que acabou sendo a maior responsável pelo êxito da Microsoft. Antes das “janelas”, só se trabalhava com textos sobre a tela escura. Steve Jobs chegou a acusar Gates de lhe ter roubado o conceito visual, mas o fato é que a MS impôs o Windows ao mercado, e… bem, o resto todo mundo sabe.

Enfim, o passamento do Vista nem será notado, já que – segundo o site ZD Net – apenas 0,7% dos computadores atuais ainda mantêm o jurássico sistema. O site, aliás, fez o réquiem ao produto, com uma galeria de fotos que pode até ser engraçada aos olhos de hoje. É, na verdade, uma sucessão de problemas que estressou muita gente ao longo desses dez anos.

Reproduzo ao lado uma das imagens, que sintetiza a própria história do Vista. Foi, provavelmente, aquela que mais se repetiu nas telas dos usuários até hoje. Que descanse em paz!

No comments yet.

Deixe uma resposta