OLED vs QLED: disputa começa a esquentar

2 de outubro de 2018

“Como a Samsung ficou para trás de Sony e LG no mercado de TVs premium” é o título bombástico, e talvez exagerado, de um artigo da agência Reuters, escrito por seus correspondentes na Coréia. Saiu em maio (quem quiser pode ler aqui, em inglês), mas com os números de vendas revelados nos últimos meses voltou a ser citado por analistas internacionais. Na comparação entre TVs QLED e OLED, estes ganham com boa vantagem, segundo algumas das principais empresas de pesquisa.

Sim, estamos falando especificamente dos TVs mais caros, a partir de 55 polegadas. A Samsung continua liderando com folga o mercado global, quando se consideram todos os tipos de TVs (e isso há 12 anos seguidos), mas a questão está na rentabilidade. Produtos mais caros, mesmo vendidos em volumes menores, são os que garantem margens melhores, o que acaba tendo impacto sobre o negócio como um todo. E é difícil brigar contra números como este: as vendas de TVs OLED cresceram 84% no primeiro trimestre deste ano, comparado com o mesmo período de 2017; enquanto isso, as vendas de modelos QLED caíram 45% (dados da consultoria IHS Markit, citados pelo site Business Korea). 

Mas, cuidado, números podem ser enganosos. Três anos atrás, para impulsionar as vendas de OLED, a LG decidiu negociar condições especiais para fornecer painéis orgânicos a outros fabricantes de TVs, como Sony, Panasonic, Philips e Toshiba. No ano passado, a Samsung contra-atacou criando a QLED Alliance, ao lado das chinesas TCL e Hisense. Este ano, por algum motivo que ainda não está claro, a Hisense – uma das marcas mais vendidas na Ásia e que vem crescendo na América do Norte – decidiu aderir à tecnologia OLED.

Segundo o mesmo site coreano, citando fontes de dentro das empresas, o movimento pode levar a Samsung a rever sua decisão de não investir mais em OLED – ela que até 2015 estava nesse segmento. Essa possibilidade foi desmentida por Jonghee Han, presidente da divisão de TVs da empresa, que ao ser questionado respondeu: “Nada muda em nossa estratégia. Nosso objetivo não é ser No. 1 por X anos, mas No. 1 para sempre”.

Em tempo: a Samsung tem nas mãos um trunfo nada desprezível, o domínio dos painéis Micro-LED (vejam aqui), previstos para chegar ao mercado internacional em meados de 2019. 

 
 

Deixe uma resposta