Interatividade e integração dominam o debate nos EUA

Por Samuel Possebon* 

         Dois temas têm sido especialmente discutidos pelos operadores de TV a cabo norte-americanos durante a NCTA Cable 2009, que acontece esta semana em Washington: interatividade e integração de plataformas. São dois temas que estão ainda distantes da realidade brasileira, mas cujos debates atuais apontam alguns caminhos interessantes.

            No quesito interatividade, uma coisa já é certa: ela começa efetivamente onde houver potencial de receita publicitária, e é nesse sentido que estão se concentrando os esforços de operadores e programadores. E a maior aposta do mercado de cabo nos EUA é que a interatividade pode representar, para anunciantes e operadores, maior atenção do usuário e a possibilidade de comerciais direcionados e segmentados, revertendo-se em maior receita publicitária.

            Além disso, um modelo que parece certo é o de plataformas unificadas para aplicações interativas. Todos tentam, de uma forma ou de outra, criar a usabilidade que a Apple conseguiu com a sua Apple Store, loja de softwares para iPods e iPhones em que os aplicativos são facilmente ofertados e adquiridos pelos desenvolvedores e usuários, respectivamente.

            O conceito central é criar uma plataforma comum em que essas aplicações interativas, sobretudo voltadas a publicidade segmentada e direcionadas ao comércio eletrônico, possam ser desenvolvidas. Nos EUA, o esforço nesse sentido cabe ao projeto Canoe, uma parceria entre os maiores operadores de cabo dos EUA (Comcast, Time Warner Cable, Cox, Charter, Cablevision e Bright House) para desenvolver aplicações de publicidade interativa.

            Outro tema com discussão bastante intensa envolve a implementação da linguagem EBIF (Enhanced TV Binary Interchange Format), desenhada pelo CableLabs especialmente para oferecer um formato comum de desenvolvimento de widgets (aplicativos) para set-top box, trazendo para esse ambiente a mesma usabilidade da internet e de algumas plataformas móveis, como o iPhone. O EBIF já está sendo utilizado na programação de aplicativos. A expectativa é que o projeto Canoe, para publicidade interativa, comece a dar os primeiros frutos em um ano, de modo que em cinco anos o ambiente de interação plena entre usuários e anunciantes esteja concluído.

            Ainda existe um problema central a ser resolvido em relação a aplicações interativas, contudo: o esforço de desenvolvimento deve ser pago por programadores ou por operadores? A tendência é que quem tiver mais receitas com essas aplicações arcará com a maior parte do trabalho, mas até o momento ninguém sabe ao certo se é possível ganhar dinheiro, nem quanto.

            A Time Warner Cable acredita que exista um grande potencial nesse mercado. Para Joan Gillman, vice-presidente para venda de mídia da TW, as operações com interatividade têm um bom feedback em termos de aquisição de informações sobre os usuários, que podem ser utilizadas pelos anunciantes. A ESPN concorda, segundo Sean Bratches, vice-presidente de marketing da programadora. “Hoje já acumulamos informações detalhadas sobre os hábitos de mais de 8 milhões de clientes graças à interação que temos com eles, e isso pode se reverter em receitas publicitárias”.

            Outro ponto alto do congresso e da feira da NCTA Cable 2009 foi o a consagração do tru2way como plataforma comum para integração de dispositivos e aplicações entre diferentes redes e equipamentos de TV a cabo. A tecnologia, que no ano passado estava recém-homologada pelo CableLabs, agora se tornou padrão para a indústria norte-americana, que por muito tempo foi tachada de fechada e proprietária, em função das plataformas exclusivas de cada fornecedor.

O próximo passo é a integração de metadados (informações sobre a programação) associados aos conteúdos. O desafio é fazer esses metadados serem entendidos por múltiplas plataformas, de modo que eles estejam disponíveis em quaisquer dispositivos e ambientes. O CableLabs também está trabalhando em cima desse problema.

*Publicado originalmente no site Tela Viva em 02/04/09

Deixe uma resposta