TVs: uma pesquisa mundial

10 de junho de 2011

O que leva uma pessoa a escolher determinado modelo ou marca de televisor? Qual o fator (ou fatores) preponderantes na hora da decisão? Foi perguntando isso que um grupo de pesquisadores contratados pela empresa americana DisplaySearch abordou, por telefone, cerca de 14 mil usuários de 13 países: Brasil, México, Estados Unidos, França, Alemanha, Itália, Reino Unido, Turquia, Rússia, Índia, Japão, Indonésia e China (esta última dividida entre “áreas urbanas” e “áreas rurais”). Que que saiba, foi o levantamento mais abrangente já realizado no setor. Vale a pena analisar algumas das revelações do Global TV Replacement Study:

*Quando vai comprar um novo TV, a maioria das pessoas não pensa apenas em substituir um aparelho antigo; procura qualidade de imagem melhor e, principalmente, tamanho de tela maior.

*Os três fatores mais apontados pelos entrevistados como atraentes num TV novo foram: tela fina, acesso à internet e reprodução de imagens 3D – exatamente nessa ordem. No entanto, a maioria rejeita pagar mais do que 20% acima do preço de um modelo sem esses recursos.

*Na comparação entre os países, observou-se que os chineses urbanos e os russos são os que mais valorizam as telas finas, enquanto os franceses dão prioridade à questão da internet; brasileiros, indianos, turcos, britânicos, japoneses e italianos revelaram maior equilíbrio entre os três fatores.

No final, a conclusão dos pesquisadores foi de que preço e marca continuam sendo os principais critérios de decisão. A maioria dos entrevistados mostrou-se confusa quanto às inovações. A falta de padronização no acesso à internet, por exemplo, é vista como uma barreira, embora todos achem essa novidade interessante. Alguns fabricantes utilizam acessórios (os chamados dongles) que obrigam o usuário a ter que fazer mais uma conexão, quando esta já deveria estar embutida no aparelho.

No caso do 3D, o atrativo parece ser ainda menor devido à falta de conteúdo. Como esta deve continuar por um bom tempo, talvez os fabricantes devessem mudar a abordagem (aqui, estou falando eu, nada a ver com a pesquisa). Por mais que seja envolvente, a imagem 3D, por si só, não convence o consumidor a pagar mais pelo TV que viu na loja. Vai ser preciso encontrar outro argumento.

Deixe uma resposta