Preparando o mundo 8K

Comentamos aqui várias vezes sobre os equipamentos de resolução 4K, e olhem só a notícia que chega do Japão: a Panasonic e a rede de TV NHK demonstraram na semana passada um display 8K, ou seja, com o dobro de pixels (exatamente 7.680 x 4.320). Trata-se de um plasma de 145 polegadas!!!

Não é propriamente uma novidade. Quando visitei a NHK, em 2008, assisti a uma demonstração desse tipo de tela, chamada “Super Hi-Vision” (mais detalhes aqui). Era um protótipo, e na época ninguém soube dizer quando poderia entrar em operação. Embora fosse um display 8K, as imagens exibidas eram 4K, pelo bom motivo de que não havia ainda câmeras para captar imagens com tamanha resolução.

Hoje, informa a própria NHK, já se pode falar em termos práticos sobre isso. Os engenheiros da emissora, que trabalham em parceria com diversos fabricantes, conseguiram desenvolver sensores capazes de registrar aquela quantidade de pontos de imagem (fazendo as contas, são 33.177.600 pixels). E parecem ter resolvido o principal problema na reprodução de sinais tão intensos: o flicker (cintilação) que resulta da projeção simultânea de tal quantidade de elementos – lembrando que cada pixel é composto de três subpixels, para as cores primárias (verde, azul e vermelho). A solução, como tinha de ser, veio na forma de processadores de altíssima capacidade, tecnicamente chamados drivers, trabalhando com algoritmos hipercomplexos, de tal modo que o registro, focalização, iluminação e transmissão de cada pixel seja estável (este vídeo, feito no ano passado, dá uma ideia).

A NHK informou ainda que estuda com a BBC uma forma de captar imagens da Olimpíada de Londres, em julho, com pelo menos uma câmera 8K e promover sessões públicas para exibir o material, quem sabe até ao vivo. Isso já foi feito anos atrás, mas o grau de dificuldade assusta até os mais experientes técnicos de televisão. Como se sabe, a Panasonic é patrocinadora oficial dos Jogos e já tem planejada a cobertura em 3D Full-HD; fazê-lo também em 8K, mesmo com toda a estrutura da BBC e da NHK, é um desafio e tanto. Tomara que consigam.

4 comentarios para Preparando o mundo 8K

  1. Rogério Maciel 05/02/2013 at 7:27 pm #

    Bah! Eu vejo, um mundo futuro, quando as pessoas terão a oportunidade de ter toda esta tecnologia disponível, mas para o prazer e privilégio de poucos.

  2. RAFAEL PESSOA SABINO 26/12/2015 at 6:45 pm #

    Amigo, olá!

    Vim aqui por indicação de um amigo, o qual afirmou que você sabe muito sobre imagem e poderia me ajudar.

    Sou cinéfilo e desejo começar uma coleção. O problema é que a maioria dos grandes clássicos, os quais foram feitos nas primeiras décadas do século XX, são apenas comercializados em DVD. Raros possuem versão remasterizada em Blu Ray e mais raros ainda são os que podem ser achados em Blu Ray 4K. E vejo que a tendência é que isso aumente.

    Tenho interesse no cinema moderno, mas principalmente meu foco é no antigo. E li em um site que o apse do melhoramento que as películas de 35mm e 70mm podem alcançar é o 4k. Segundo esse site, não tem como melhorar áudio e vídeo para ficar com qualidade acima disso.

    Meu medo é começar a coleção em 4k, investir dinheiro e daqui 6 ou 10 anos surgir algo novo para melhorar ainda mais os clássicos antigos e eu me sentir tentado a trocar todas as mídias, porque é óbvio que irei querer ter a melhor experiência com esses clássicos.

    Sei que já existe a tecnologia 8k e até superior. A questão é: pra quem se importa muito mais com filmes antigos, é possível daqui 10 anos, por exemplo, haver mais melhoramento na remasterização e os clássicos saírem do 4k para 6k ou 8k ou etc? Ou realmente o máximo que se pode conseguir com os rolos de 35 e 70 milímetros é chegar à qualidade de 4k?

    Muitíssimo obrigado pela atenção, amigo!

    Aguardo resposta!

    Grande abraço e parabéns pelo site! É um dos melhores!

    Att Rafael

  3. Orlando Barrozo 08/01/2016 at 11:49 am #

    Olá Rafael, obrigado pela mensagem. Veja só, já está difícil fazer previsões para este ano, nem há certeza ainda de que vai sair o Blu-ray 4K. Imagine para daqui a dez anos. Também sou fã de filmes antigos e, sinceramente, a cada nova tecnologia eles parecem melhores. Alguns que tenho em DVD já são ótimos, e nem saíram em Blu-ray. Mas é uma questão pessoal. Certamente, muitos deles estarão disponíveis em 4K nos próximos anos. E também em 8K, quando isso for possível. Cabe a cada usuário decidir o custo-benefício de renovar sua coleção. Se quer uma sugestão, não se preocupe tanto com o futuro. Procure aproveitar o que está disponível hoje. Abs. Orlando.

  4. RAFAEL PESSOA SABINO 16/01/2016 at 3:05 pm #

    Grande Orlando! Muito obrigado pela atenção, amigo! Tomei uma decisão é quero saber sua opinião sobre ela. Decidi que vou colecionar os filmes em arquivos virtuais e não em mídias físicas. Tenho um amigo que possui mais de 3000 DVD. Como ele irá reproduzir essas mídias daqui há alguns poucos anos? Vídeo cassete e toca fitas já se foram. Leitores de CD já estão em extinção. Ele.investiumuito dinheiro na coleção. E fica estranho você ter coleção de VHS, DVD, Blu Ray, etc. fica heterogênea demais. Perde a característica. Daí ele prefere ficar com os dados, porque a coleção já é colossal. Mas nunca saberá o que é ver Táxi Drives em remasterizaçao 4K. Isso, pra um cinéfilo, é um prêmio de loteria. É isso que eu não quero pra mim. Se eu mantenho meus arquivos em HDs externos ou em um pc, assim que surgir uma.nova tecnologia, apenas substituo o que for vindo remasterizado, porque a coleção é toda homogênea, no formato digital. Vejo o mundo se encaminhando para o abandono da mídia física e agarrando com unhas e dentes o mundo STREAM. Hoje, jogos, filmes, séries, etc.: tudo se encontra disponível ONLINE. Prefiro reservar uma gaveta para armazenar minha coleção do que um sótão inteiro. O que acha?

Deixe uma resposta