TVs que não precisam da TV

11 de julho de 2016

vizioEm lojas dos EUA, já é possível encontrar televisores com a função Google Cast. Essa é a plataforma smart da Google, que dá acesso não apenas à internet mas a uma infinidade de serviços da empresa. Pode parecer banal, mas alguns desses aparelhos foram pensados para romper com um dos hábitos mais arraigados entre os consumidores: assistir aos canais de TV.

Na pratica, Google Cast é um “serviço na nuvem”, não algo que fique embutido no TV. E isso faz toda a diferença. O aparelho vai buscar os conteúdos no servidor Google, como se faz com qualquer dispositivo móvel. Só que seu processador é mais rápido e eficiente que o de um smartphone, por exemplo. É o caso dos novos TVs 4K da marca Vizio (foto), hoje uma das mais vendidas no mercado americano. Eles não têm controle remoto: vêm com um tablet que faz todo o serviço (detalhes, aqui).

Uma das vantagens dessas configurações é que o TV deixa de ser um TV propriamente dito, transforma-se num monitor. Todo o acesso aos canais é feito pela web. No caso dos Vizio, não existe nem menu… Segundo o fabricante, isso libera o TV para cuidar “apenas” do trabalho de processar o sinal de vídeo. Por sinal, esses modelos são compatíveis com sinais 4K HDR (High Dynamic Range), que podem ser captados da internet ou de um player Blu-ray 4K.

O recurso Google Cast na verdade está integrado em todos os TVs que utilizam sistema operacional Android, como os da Sony, Philips e Semp Toshiba lançados no Brasil. Essas empresas preferiram adotar o sistema Google em vez de desenvolverem plataformas próprias, como fizeram Samsung, LG e Panasonic. Se foi ou não uma boa decisão, só saberemos mais tarde. Fato é que agora estão presas aos caprichos da gigante de buscas.

globoplayOutra forma de ver as coisas é pensar que a Globo, por exemplo, está ampliando o acesso a seus programas através do aplicativo Globo Play, atitude já adotada por várias grandes redes de televisão em outros países. Portanto, essa nova modalidade de televisor faz muito sentido. Como diria o astronauta, é só um primeiro passo para a televisão que teremos no futuro. Mas, que passo!

Deixe uma resposta