Áudio sem fio com padrão high-end

7 de julho de 2016

Pode soar um sacrilégio para os audiófilos, mas é fato que até os fabricantes de equipamentos high-end estão se voltando para soluções sem fio. Marcas como Bose, B&W e Sennheiser já colocaram no mercado internacional, por exemplo, fones de ouvido wireless, como desempenho que nada fica devendo aos convencionais. E a francesa Devialet causou enorme impacto no ano passado, com o lançamento do Phantom, primeiro sistema de áudio portátil sem fio dessa categoria (vejam aqui o teste que fizemos).

sonusPelo visto, esses e outros fabricantes não vão ficar nisso.  Semana passada, a italiana Fine Sounds – dona de marcas como McIntosh e Acoustic Research – apresentou o aparelho ao lado: um “sistema” de áudio sem fio que leva uma marca respeitadíssima (Sf16s, de Sonus Faber). O design é propositalmente anos 50, mas a peça traz cinco falantes e funciona em redes Wi-Fi, só que com processamento Play-Fi (da DTS) para áudio de alta resolução.

Claro, nada dessas coisas custa barato. O preço sugerido do Sf16s, que terá série limitada (apenas 200 unidades por ano), é de aproximadamente 10.000 euros.

5 Replies to “Áudio sem fio com padrão high-end”

  1. Rubens disse:

    “O design é propositalmente anos 50″…

    So eu achei que lembra o design da nave USS Enteprise, da serie de tv Star Trek?
    (ao menos considerando o angulo da foto)

  2. Rubens disse:

    Enterprise, digo…

  3. Orlando Barrozo disse:

    Amigos, lembro que as normas para TVs HDR foram oficializadas somente em janeiro, durante a CES. Os modelos 4K HDR lançados no ano passado são diferentes dos novos top de linha. Por ex: não tinham backlight Local Dimming, que permite aumentar a luminosidade. A própria Sony está lançando duas linhas diferentes de 4K, uma delas (mais barata) com painel Edge-lit, que é menos eficiente. LG, Samsung e Panasonic têm agora pelo menos um modelo desse tipo. O problema é que, no caso dos demais modelos, isso nem sempre fica claro para o consumidor. Assim como há duas categorias distintas de 4K, há duas de HDR. Como já explicamos aqui, essa é uma característica do conteúdo: de nada adianta um TV HDR se o material não foi gravado e processado dessa forma, como é o caso da nova série da Globo e dos novos discos Blu-ray UHD. Infelizmente, a única forma de verificar isso é com os próprios olhos. Abs. Orlando

  4. Rubens disse:

    Orlando, creio que essa sua resposta era para a materia “Como é o sinal HDR da Globo”…

    Mas respondendo por aqui, sim, eu sei que existem os televisores “full-HDR” (que para atender a todas as especificacoes da feature HDR precisam ser FALD — full-array local dimming), e existem os televisores “HDR meia-boca”, que ou sao edge-lit ou sao apenas full-array (sem o local dimming).

    Mas o fato realista é que televisores FALD sao raridade, sao a excecao, pois custam muito caro. Na pratica, cada fabricante normalmente so oferece apenas [b]um[/b] unico modelo FALD em toda a sua linha de televisores. O resto é composto principalmente por modelos edge-lit ou apenas full-array, mas que oferecem a feature HDR.

    Dessa forma, seja de forma plena (full) ou seja de forma meia-boca, todos oferecem o HDR. Assim, em 2015 a Sony ja oferecia no Brasil modelos edge-lit e modelos full-array que ja incorporavam o HDR. Claro, a gente sabe que nao é o HDR-pleno. Mas é melhor do que nada (ter um televisor sem a feature).

  5. Orlando Barrozo disse:

    É isso mesmo, Rubens. Abs

Deixe uma resposta