Internet deixa a pirataria mais “democrática”

11 de fevereiro de 2020

 

 

 

 

 

 

 

O número é tão impressionante que precisa ser escrito por extenso: sete bilhões e 180 milhões!!! Essa foi a quantidade de acessos a material pirata registrada no Brasil em 2018 (ainda não há dados de 2019). A cifra coloca nosso país na liderança absoluta desse campeonato do crime, dentro da América Latina. Como consolo, Uruguai e Chile apresentaram mais acessos por usuário de internet.

Os dados estão no mais recente relatório da Alianza, entidade criada por fabricantes, estúdios, emissoras, operadoras e provedores do continente para combater aquela que é hoje a forma mais comum de pirataria: o roubo de sinal de televisão por assinatura. O levantamento indica que houve aumento de 9% em 2018, somando 14,1 bilhões de acessos a sites piratas, com os brasileiros respondendo por 7,18 bilhões. Tudo indica que em 2019 essa curva ascendente se manteve.

Sim, você já viu por aí: transmissões não autorizadas de eventos esportivos em “canais de TV online”; streaming ilegal de filmes e séries (os downloads diminuíram 13%); aqueles sites que oferecem um conteúdo ao vivo pedindo a gentileza de você “dar um like” para prestigiar a boa ação dos responsáveis. Na média, cada latino-americano fez 51,6 visitas a sites desse tipo em 2018.

Mas esses números são enganosos, pois não contam toda a história. O levantamento não incluiu os acessos por aplicativos, playlists, nem o uso das já consagradas caixinhas Black Box, que estão à venda até no Mercado Livre e similares. 

Deixe uma resposta