Comparando TVs por dentro

19 de novembro de 2019

Na manhã desta terça-feira, assistimos a uma demonstração inédita no show-room da LG em São Paulo. Quatro TVs posicionados lado a lado sobre uma bancada, todos com a face da tela virada para baixo, puderam ser examinados de perto pelos jornalistas. Bem, mas o que há de interesse em observar TVs por trás, e ainda por cima desligados?

É que a demo criada pelo pessoal da LG não visava comparar diretamente a qualidade de imagem dos aparelhos – isso pode ser feito em qualquer loja. O objetivo era mostrar por que os TVs com painel orgânico (OLED) são superiores aos LED-LCDs, inclusive aqueles que utilizam pontos quânticos (QLED) ou células (NanoCell). Abertos na frente dos convidados, foi possível ver o que existe dentro de cada um dos quatro TVs.

Para compor a imagem que o usuário vê na tela, os TVs baseados em LCD – LED, QLED e NanoCell – utilizam várias camadas internas (foto ao lado), cuja função é otimizar a luz gerada pelo backlight (este em geral é a última camada na traseira do gabinete, protegida por um painel metálico). Por mais intensa que seja, essa luz precisa ser filtrada e direcionada de modo uniforme sobre toda a área do painel LCD, onde estão os pixels formando a imagem. Quando isso não é feito corretamente, ocorrem vazamentos de luz nos cantos da tela e distorções nas cores.

Esses filtros e difusores de luz não são necessários num TV OLED, porque os pixels orgânicos emitem a própria luz, respondendo a impulsos elétricos, que traz ganhos em nitidez e contraste. Por isso, o gabinete de um OLED é muito mais fino (e também mais sensível), a ponto de poder, em alguns casos, ser virtualmente colado na parede. Ou enrolado, como nos mostrou um dos técnicos da LG.

 

Para provar, eles desmontaram ao vivo um TV OLED, utilizando chave de fenda e alicate, um espetáculo de partir o coração para quem sonha ter um desses em casa e, por azar, não possui saldo bancário suficiente. A camada de pixels, feita de um vidro especial ultrafino, saiu toda arranhada e amassada (vejam a prova). Mas ninguém teve mais dúvidas sobre por que esse tal de OLED é tão bom.

3 Replies to “Comparando TVs por dentro”

  1. Olimpio disse:

    eu ja sabia, o problema do oled era a fabricacao de telas grandes e isto ja foi superado

  2. […] (considerado infinito), é possível obter com isso maior fidelidade e riqueza de cores (veja aqui como foi o […]

  3. Edi bezerra disse:

    Tenho uma oled n7p não tenho que reclamar em questão de qualidade de imagem top parabéns a LG pelas oled

Deixe uma resposta