OLED agora é mercado de nicho

17 de maio de 2020

Ainda não há números oficiais sobre as vendas de TVs nestes dois meses de distanciamento social. Sabe-se apenas que a demanda migrou para as lojas virtuais (óbvio), mas não que impacto isso teve nas vendas. Os dados mais recentes são de fevereiro, portanto pré-pandemia, indicando que a Zona Franca de Manaus teve naquele mês queda de 17% na produção de TVs (LCD e OLED) em relação a fevereiro de 2019: 991.809 unidades; no mesmo período, informa a Eletros, as vendas ao consumidor caíram 6%, ficando em 1.049.219 unidades. Dados mais detalhados podem ser vistos neste link.

Somando janeiro e fevereiro, observa-se que a queda na produção em Manaus foi de 8% em relação ao ano passado, enquanto as vendas registradas pela Eletros, ao contrário, subiram 6%, o que pode ser um bom sinal. 2019 de fato começou muito mal para a indústria, com quedas tanto na produção quanto nas vendas, mas acabou sendo até razoável, dadas as circunstâncias, com os seguintes totais: produção de 12.665.669 (9%) sobre 2018) e vendas de 12.775.683 (6%). Este ano, com COVID-19 e tudo mais, não há como prever.

Observando especificamente o segmento de OLED, os dados confirmam que trata-se, cada vez mais, de um nicho. Vejam este comparativo:

2018 2019 2020
4.597 5.732 2.435

São os números de unidades vendidas nos dois primeiros meses de cada ano. Em março, muitas fábricas de Manaus tiveram que fechar (retomaram na semana passada), mas parece difícil que continuem produzindo TVs tão sofisticados – e delicados – como os que estão chegando. No Guia de TVs 4K, que publicamos e atualizamos regularmente, a LG continua sendo a marca com maior variedade de TVs OLED. Está para ser lançada a linha 2020, ainda sem data confirmada. A Sony mantém dois modelos em linha, assim como a Panasonic, ambas utilizando painel interno fornecido pela própria LG. 

A novidade é a Philips, que entrará na próxima atualização do Guia. Provavelmente em julho chega às lojas o primeiro modelo oficial da marca; houve um lançamento experimental no ano passado, que serviu apenas como teste. Este novo (foto acima) será, pelas especificações, um dos mais avançados do mercado, com recursos como Dolby Atmos, Dolby Vision, HDR10+, Ambilight e um novo chip de Inteligência Artificial que ajusta em tempo real os sinais de áudio e vídeo. Vale a pena ficar de olho.

Deixe uma resposta