Google, 6GHz e o domínio do planeta

23 de agosto de 2020

 

 

Saiu mais um plano mirabolante da Alphabet, holding que comanda o Google, e como sempre acontece já surgiram as primeiras teorias da conspiração*. A ideia é iniciar imediatamente testes de transmissão na faixa de 6GHz, usando como base 26 cidades americanas, espalhadas por 17 estados. A autorização depende da FCC, órgão que regula as comunicações por lá, e ainda não há informações exatas sobre quais seriam os objetivos dos testes.

Na verdade, Larry Page e Sergei Brin, os dois sócios-fundadores do Google, são famosos no Vale do Silício por patrocinar projetos que consomem bilhões e depois desistirem deles. Por ser uma típica máquina de fazer dinheiro, dominando hoje mais da metade da publicidade digital em todo o mundo, essa é uma empresa que pode se dar ao luxo de prejuízos constantes sem abalar as fortunas de seus acionistas. E faz isso há anos (detalhes aqui).

A lista é enorme. Já se envolveu num projeto de veículo espacial. Manteve durante dois anos um serviço de banda larga ultra rápida na cidade de Kansas City, pensado como piloto para algo de alcance nacional (há notícias de que pretende retomar). E teve que deletar do mercado produtos como o smartphone Nexus, o streamer Chromecast Audio, as ferramentas Tango, de Realidade Virtual, e Picasa, de armazenamento e gerenciamento de imagens, o app de rede social Google+… são tantos os casos que há na internet uma infinidade de memes sobre eles; em dezembro último, o site Android Authority listou nada menos do que 50 projetos com assinatura Google que fracassaram (confiram). 

É justo lembrar, em favor de Page e Brin, que ambos se interessam muito por questões ligadas a Educação, Cultura, Saúde e Meio Ambiente, tendo lançado projetos louváveis como Google Arts & Culture, que dá acesso gratuito a obras de milhares de museus e instituições de arte; e Google Sustainability, que financia pesquisas e atividades ligadas à natureza. Seu braço de investimentos Google Ventures é famoso pela quantidade de empresas que apoia, por exemplo, na área de pesquisas médicas.

No projeto 6GHz citado no início, uma das teorias da conspiração é de que seria mais uma tentativa da dupla de dominar o planeta, “oferecendo conexões de banda larga confiáveis” (as palavras vagas são da própria empresa). Com isso, “invadiria” milhões de domicílios para espionar a vida íntima das famílias! O site The Verge lembra que em algumas cidades dos EUA já está funcionando o Google Fiber Webpass: você assina um plano de 70 dólares mensais e, se seu prédio tiver rede de fibra óptica, ganha acesso a ultra velocidade (Gigabits).

Como sempre, especialistas se questionam: o que será que o Google pretende desta vez? 

*”Digitei no Google ‘Quem irá dominar o mundo?’ e ele sempre volta para o site do Google”. 

Um comentario para “Google, 6GHz e o domínio do planeta”

Deixe uma resposta