Orlandobarrozo.blog.br

Tecnologia para tudo (e para todos)

Adeus ao mestre do prazer musical

11 de fevereiro de 2021

Poucos artistas foram tão queridos – querido mesmo, como um irmão ou amigo bem próximo – na comunidade do jazz quanto Chick Corea, que nos deixou nesta terça-feira, vítima de um tipo raro de câncer descoberto recentemente, segundo nota divulgada pela família. Corea tinha 79 anos e continuava em plena atividade como tecladista, compositor, líder e inspirador de pequenos grupos (trios, quartetos, sextetos). Como tantos outros, foi obrigado pela pandemia a deixar de fazer o que mais gostava: viajar para shows em várias partes do mundo.

“Quero agradecer a todos que, ao longo de minha jornada, ajudaram a manter acesa a chama da música”, disse ele em mensagem aos fãs, que deixou para ser divulgada após sua morte. “Tenho esperança de que aqueles com inclinação para tocar, compor ou se apresentar o façam. Se não por si próprios, então por todos nós. E não apenas porque o mundo precisa de mais artistas, mas porque é muito prazeroso”.

E continua a mensagem: “E para os meus queridos amigos, que têm sido como uma família para mim desde que os conheci, foi uma bênção e uma honra aprender e tocar com vocês todos. Minha missão sempre foi levar o prazer de tocar a todos os lugares, e conseguir fazer isso com todos os artistas que tanto admirei – essa foi a grande riqueza de minha vida”.

Segundo a revista Downbeat, é possível que nenhum outro artista do jazz tenha colaborado com tantos grandes nomes quanto Corea. Uma lista resumida inclui Miles Davis, Stan Getz, Herbie Hancock, Sarah Vaughan, Bobby McFerrin, Airto Moreira, Gary Burton, Al DiMeola, Christian McBride, Gonzalo Rubalcalba, Mongo Santamaria, John McLaughlin, Ravi Coltrane, Brad Mehldau…

Tocar e criar com total liberdade é a essência das grandes obras artísticas, dizia Chick Corea. Seus 23 prêmios Grammy e sucessivas vitórias na pesquisa anual entre os leitores da Downbeat confirmam que Corea era também adorado pelo público, com diversos álbuns entre os mais celebrados dos últimos 50 anos.

Aqui, uma pequena seleção:

Now He Sings, Now He Sobs, EMI, 1968

Tones for Joan’s Bones, WEA, 1968

Jazz for a Sunday Afternoon, Blue Note, 1969

Paris-Concert, ECM, 1971

Light as a Feather, Verve, 1972

Return to Forever, ECM, 1972

An Evening with Chick Corea & Herbie Hancock, Polydor, 1978

Duet: Chick Corea & Gary Burton, ECM, 1979

Akoustic Band, GRP, 1989

Paint the World, GRP, 1993

Remembering Bud Powell, Stretch/Universal, 1997

Rendezvous in New York, Stretch, 2003

Further Explorations, Concord, 2012

Solo Piano: Portraits, Universal, 2014

Plays, Concord, 2020

Obs.: Corea é destaque também nos três álbuns de Miles Davis que definiram o jazz fusion – Filles de Kilimanjaro (68), In a Silent Way (69) e Bitches Brew (70).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *