O teste do TV gigante

5 de outubro de 2012

Durante cerca de 20 dias, nossa equipe avaliou o maior TV à venda no Brasil, o modelo LED-LCD Sharp de 80 polegadas (é o maior por enquanto; está para sair o LG 4K de 84″). Com preço sugerido de R$ 29.000, certamente está fora do alcance da maioria dos consumidores – até porque exige uma sala grande, pelo menos uns 25m2. Com menos de 3m de distância, começa-se a enxergar os pixels, o que em algumas pessoas pode causar desconforto visual. O problema é ainda mais notado nas imagens de ação e/ou escuras (vejam aqui um vídeo que fizemos sobre o aparelho).

Essas, portanto, são as pré-condições para quem pensa comprar o aparelho: ter dinheiro e espaço adequado. Quanto à qualidade de imagem, sinceramente nos surpreendeu. Os TVs Sharp lançados anteriormente, entre 2008 e 2009, não agradaram, embora se saiba que a empresa é um dos principais fabricantes do Japão e que seus produtos fazem sucesso tanto lá quanto na Europa e nos EUA. Ao que parece – e a Sharp Brasil confirma – os modelos trazidos para o mercado brasileiro, fabricados no Japão, são os mesmos que vimos na IFA, mês passado.

As deficiências que encontramos são as mesmas dos demais TVs LED-LCD que estão no mercado. O contraste não é o mesmo do plasma, as cores às vezes parecem artificiais; a Sharp incluiu uma série de ajustes avançados para corrigi-las ao gosto do usuário, mas é um procedimento complicado e demorado. O backlight do tipo Edge-lit, usado pela maior parte dos fabricantes, é inferior ao Local Dimming, algo que, no entanto, é sutil, só se percebe olhando com muita atenção determinados tipos de imagem.

No geral, para quem busca um TV dessas proporções parece ser uma boa alternativa. Talvez seja aconselhável, no entanto, aguardar a chegada dos modelos LG e Samsung de 75″, que nos próximos dias estarão nas lojas (estamos esperando também para testar). A partir de agora, deveremos ter no mercado mundial, e também no Brasil, uma avalanche de telas grandes, pois os fabricantes descobriram que é esse o desejo dos consumidores (mais detalhes neste texto). Esta semana, por sinal, o modelo da Samsung apareceu numa promoção do site Shoptime. Mas já se esgotou…

Sem falar nos 4K, que também estão chegando. Mas essa é outra história.

4 Replies to “O teste do TV gigante”

  1. Rubens Pires de Miranda disse:

    Olá,Orlando.

    Não sei se um tv de 80″ precisa de uma sala muito grande.Meu home-theater escolhi montar em uma saleta de 3,5X3,0m de forma que fico a cerca de 2.7m da tela.Minha mais nova tv,65VT50,sinto que poderia ser maior,principalmente em filmes 3D que eu gostaria da imagem preenchendo mais o campo visual para conseguir ainda mais imersão.Nessa distãncia não visualizo quaisquer pixels de formação da imagem.

    Infelizmente aqui no Brasil a maior plasma disponível é essa.

    Abraço:Rubens

  2. Orlando Barrozo disse:

    Sim, Rubens, vc tem razão: isso depende muito do TV e da sensibilidade visual de quem assiste. O comentário refere-se ao tamanho da parede onde fica o TV; numa sala muito pequena, é difícil acomodar um de 80″, certo? Grande abraço. Orlando

  3. seti disse:

    Rubens,comente sua 65.

  4. Rubens Pires de Miranda disse:

    Olá,Seti.

    A Panasonic 65VT50 é simplesmente fabulosa.As imagens em movimento são perfeitas,principalmente com o “cinema smooth” acionado em máximo(gosto das imagens bem suaves e fluidas),o contraste é incrível,mesmo nas cenas mais escuras,dá para ver com detalhes,todos os objetos que a compõe.O nível de preto é o melhor que já vi,no escuro total e sem fonte liigada,só a tela preta da tv,é necessário prestar atenção para saber se o painel está mesmo energizado.Nas imagens 3D,é preciso procurar muito e nas extremidades da imagem para se perceber em raras situações,um mínimo “crosstalk”que só um chato procurando consegue achar que viu..Também achei que é a tv com melhores ajustes de fábrica pois os modos:normal para programas de tv e THX cinema para filmes,me satisfizeram totalmente,ainda nem rodei meu disco de calibragem da OPPO para conferir.

    Achei que valeu muito os cerca de 30% a mais que paguei em relação à Samsung 64E800,que era minha segunda opção.

    Não consegui ver nada dretenções temporárias,mesmo após horas de imagens 23,5:1 ,4:3 ou legendas(não curto games)

    E ainda por cima,a tv,desligada,também é belíssima.

    Se quiser saber mais alguma coisa,é só perguntar.

    Abraço:Rubens

Deixe uma resposta