Orlandobarrozo.blog.br

Tecnologia para tudo (e para todos)

O charme imponente das caixas torre

14 de julho de 2021

Um dos destaques da edição de julho da revista HOME THEATER & CASA DIGITAL é uma reportagem sobre as caixas acústicas torre, que continuam sendo referência de qualidade em todo o mundo, especialmente na reprodução musical. Apesar da enorme popularização dos modelos compactos – incluindo bookshelf, caixas de embutir e as cada vez mais onipresentes soundbars – as “colunas”, como chamam os portugueses, não perdem seu apelo.

Foi interessante, durante a pesquisa para essa reportagem, “viajar” um pouco sobre a história desse que para muita gente boa é o componente mais importante de um sistema de áudio. Ao contrário dos eletrônicos, a caixa acústica continua tendo hoje as mesmas características fundamentais de quando foi inventada, ali pela terceira década do século passado (este site equivale a um bom passeio por essa história).

A propósito, o termo “caixa acústica” é usado somente no Brasil, provavelmente em função da aparência dos gabinetes de madeira. Em inglês, usa-se um único termo – loudspeaker – para identificar tanto a caixa quanto o alto-falante dentro dela. Vale uma olhada neste vídeo, que traz belas imagens e explicações sobre a evolução dos falantes.

As torres (floor-standing), que surgiram entre os anos 1960 e 70, logo ganharam status de superioridade. Na época dos grandes shows de música ao vivo, com caixas enormes no palco, as torres se tornaram ícones do áudio bem reproduzido, e em volume alto, o que até hoje ainda confunde muita gente; afinal, tocar alto não significa “tocar bem”, e potência não é sinônimo de refinamento sonoro. Nem toda torre pode ser levada a sério, acusticamente.

Várias marcas contribuíram para fixar o prestígio das caixas torre ao longo das últimas décadas: as americanas Altec, Wilson Audio e Thiel; as inglesas B&W e Wharfedale; a dinamarquesa Dynaudio e mais recentemente a francesa Focal, apenas para citar alguns exemplos do mundo high-end. No Brasil, além de B&W e Focal, o consumidor pode encontrar marcas como as americanas Revel, JBL, Polk e Klipsch; a italiana Sonus Faber, a inglesa Monitor Audio e a dinamarquesa Jamo, todas com distribuição regular, além da brasileira AAT.

Infelizmente, a pandemia restringiu muito as possibilidades de se visitar show-rooms bem montados para ouvir demonstrações das boas caixas acústicas. Ainda assim, essa é uma regra de ouro para quem quer investir em áudio de qualidade: ouvir, experimentar e procurar treinar os ouvidos. Por mais que os fones estejam conosco praticamente o tempo todo, nada se compara ao prazer da boa música reproduzida em boas caixas acústicas.

Aproveito para sugerir aos leitores um pit-stop na seção Música, que traz boas referências para se ouvir e exercitar esse prazer. E para baixar a reportagem sobre caixas torre, este é o link.

 

2 Replies to “O charme imponente das caixas torre”

  1. JOSÉ CARLOS disse:

    Olá Senhor Orlando .
    Grato pela matéria de grande conteúdo .

    Em meu cinema tenho as caixas torres de alta performance (importadas dos Estados Unidos ) e nas frontais como nas surround vem também bem em baixo o sub o que não temos mais no lançamentos atuais assim fiquei sabendo ou estou enganando . Não abro mão de ter caixas torres pois sei do ganho e peso no envolvimento sonoro e pra mim é um grande diferencial e se eu precisar trocar e assim penso vou adquirir novamente caixas torres com absoluta certeza ! Tenho que ressaltar que para um bom desempenho temos que ter os demais equipamentos no mesmo nivél e nunca esquecendo de fazer um bom investimento nas conexões e um ótimo condicionador de energia para que faça a filtragem de tudo !! Os pequenos detalhes podem fazer a grande diferença !!
    Tenho sim interesse em breve na compra das caixas torres da marca B&W . Tem que ser torres .

    Um forte abraço Orlando e fique com Deus sempre . Amém

    JOSÉ CARLOS
    COLATINA ES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *